As vantagens do Trabalho em Grupo

imagem pessoas abraçadas em círculoO trabalho de grupo é um instrumento pedagógico poderoso para uma aprendizagem activa e participada, mas por vezes é subestimado e nem sempre tem sido utilizado da forma mais correcta. O SPRinG (Social Pedagogic Research into Group work, isto é, um grupo de Investigação Pedagógica e Social sobre Trabalho em Grupo no Reino Unido) tem dedicado a sua actividade ao estudo e análise das funções e vantagens do trabalho em grupo. Neste artigo publicamos uma lista de 6 recomendações que este grupo sugere como “guia” para o sucesso do trabalhar em grupo.

imagem crianças em círculo com as mãos unidas1. A sala de aula e a divisão em grupos devem ser construídas de forma estratégica e flexível. A sala deve ser disposta de modo a permitir quer o trabalho em grupo, quer o trabalho individual, quer o trabalho com toda a turma. Os grupos devem maximizar a interacção entre os alunos e com o professor. O equilíbrio entre o tamanho e o número de grupos é um desafio muito importante. Muitos grupos de pares podem trabalhar bem por curtos períodos de tempo (por exemplo, 5 minutos). Poucos grupos mas com mais elementos podem levar a possíveis distracções e distúrbios. É preciso flexibilidade. Em relação ao Tamanho do Grupo , é importante definir o número de alunos por grupo de acordo com a tarefa, idade e capacidades das crianças. Pares: podem ser bons para tarefas para pensar, que precisem de elevada colaboração (por exemplo, tomar decisões, resolver problemas) e para peer tutoring, ou seja, tarefas em que os alunos se ajudam e aprendem entre si. Grupos pequenos de 4-6 elementos : são bons para muitas actividades em grupo e para reduzir situações em que um aluno domina toda a turma. No entanto, existe uma grande possibilidade de alguns fazerem menos que os outros, e de as crianças mais caladas poderem nem sequer contribuir. Grupos grandes de 7-10 elementos: podem ser úteis quando o objectivo é trazer muitos pontos de vista a um debate sobre um determinado assunto, mas podem ser muito problemáticos. Quanto maior é o grupo mais difícil é planear e organizar o trabalho, os papéis, a interacção e envolvê-los numa conversação.

imagem várias crianças a realizar um mesmo trabalhoA composição do grupo deve ser estratégica. A escolha de elementos ao acaso pode trazer problemas, mas pode também levar crianças a brincar com outras que normalmente não escolheriam. Na maior parte dos casos, uma boa solução poderá ser uma decisão partilhada entre professor e alunos. Agrupar por capacidades, ou misturar? Em grupos com capacidades semelhantes (elevadas ou médias, apenas), os alunos podem "puxar" uns pelos outros, fazendo surgir ideias que individualmente não surgiriam. Mas é certo que grupos de alunos com menos capacidades dificilmente têm sucesso. O melhor é, pois, misturá-los, juntando alunos com capacidades médias, baixas e elevadas. Grupos de amigos : é aconselhável equilibrar o grupo com elementos que são amigos mais próximos e outros menos próximos. Personalidade e estilo de trabalho: todos sabemos que alguns alunos têm personalidades conflituantes ou podem não conseguir trabalhar bem em conjunto. Mas estas situações podem ser utilizadas para encorajar as crianças a aprender como lidar com pessoas diferentes. Integrar crianças com necessidades educativas especiais, pode ser problemático, pode acontecer que a criança contribua pouco para o grupo. Neste caso, é necessária muita cautela e cuidado.

2. Os trabalhos em grupo devem ser concebidos para maximizar as interacções que levam a resultados efectivos.
3. Os alunos devem reunir algumas competências sociais, de comunicação e de resolução de problemas necessárias para que haja um trabalho de grupo efectivo.
Devem ser encorajados para tomarem um papel activo na sua própria aprendizagem. O trabalho em grupo só é efectivo se encorajar os alunos a pensar e falar sobre aquilo que aprendem e compreendem, para que possam questionar ideias, partilhar ideias uns com os outros. Isto passa por entender o que é estar envolvido num grupo e praticar a tolerância, a confiança, o respeito mútuo e sensibilidade aos outros. As actividades em grupo ajudam também a ver situações a partir das perspectivas dos outros.

As maiores vantagens do trabalho em grupo para o desenvolvimento da comunicação incluem: falar um de cada vez, a escuta atenta, perguntar e pedir perguntas, fazer e pedir sugestões, fazer brainstorming, dar e pedir ajuda, dar e pedir explicações, tomar decisões colectivas, entre outros. Para a resolução de problemas, pode ajudar atribuir tarefas específicas aos elementos do grupo (líder, redactor, repórter, observador, etc), ou alocar determinadas partes das tarefas a alunos específicos, definir se é obrigatório ou não chegar a um consenso, atribuir um período de tempo fixo.

imagem sala de aula com alunos dispostos em filas4. Os adultos devem apoiar o trabalho de grupo efectivo para que se obtenham resultados positivos. Devem ser sempre discutido anteriormente o que se pretende atingir e aprender e fazer uma ligação entre a actividade com a turma toda e as actividades em grupo. Devem também ser explicadas aos alunos as competências, estratégias e as regras que deverão orientar o trabalho em grupo. No final de qualquer sessão, as crianças devem sempre reflectir sobre o que aconteceu.

5. As tarefas e actividades feitas em grupo devem ser pensadas estrategicamente para desenvolver níveis mais elevados de pensamento e de aprendizagem.
6. O trabalho em grupo pode ser utilizado em todo o currículo. As tarefas que facilitam o trabalho em grupo incluem: resolução de problemas, elaboração de projectos, discussão de ideias, tomadas de decisão, tarefas que envolvam a partilha de informação, pesquisas sobre um tema, recolha de dados.

Estruturar o trabalho em grupo. Os grupos podem ser estruturados em termos de sub-actividades ou formas de interacção, atribuindo aos alunos determinados papéis (por exemplo, escrever, presidir, liderar, tomar decisão, discutir) ou por subtarefas. Juntar um “expert” com um “noviço” é o ideal para desencadear o trabalho de pares (peer tutoring). O trabalho em grupo pode ser estruturado em fases. Por exemplo, começar com brainstorming, depois justificação/explicação e avaliação/selecção de ideias. As tarefas podem também ser estruturadas sequenciando o tamanho do grupo, isto é, desde o individual, ao grupo de pares até chegar a grupos maiores.

Fonte: http://www.tlrp.org/pub/documents/Principles%20in%20Practice%20Low%20Res.pdf .




Colocado no dia: 4 Dezembro 2007 às 0:00

Tags:

Artigo escrito por: TeresaPinto

Comentários


Deixe um Comentário

É necessário estar registado para escrever um comentário.

Caso ainda não se tenha registado poderá registar-se em: http://www.cnotinfor.pt/registo

Símbolos Ativar/Desativar

Subscrever via RSS







  • Comunidade Imagina



  • Criar conta gratuitamente
    Esqueceu a sua password?
    • Print
    • email
    • Twitter
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • del.icio.us
    • LinkedIn
    • RSS



    Edições


    Áreas

    ajudas técnicas Aprendizagem Artigos de Opinião Aventuras 2 BICA Curta CAA Centro de Formação Comunicar com Símbolos Comunicação Aumentativa e Alternativa Concursos Editorial educação especial Escrita com Símbolos Eventos Formação à Distância (FAD) Inclusão inVento inVento 2 Investigação e Desenvolvimento Lançamento de Produtos Leitura LIREC literacia myHealthPass Necessidades Educativas Especiais Pequeno Mozart Portal de Actividades Imagina produtos de apoio Projetos pt-BR pt-PT Questões e Aprendizagem recursos educativos robótica educativa Software Educativo Software Imagina Software Inclusivo Símbolos para a Alfabetização da Widgit tecnologia assistiva tecnologias tecnologias de apoio Testemunhos e Experiências TIC em contexto curricular TOP QX Vox4All